Danilo Guanais


Danilo Guanais (Danilo Cesar Guanais de Oliveira), nascido em São Paulo-SP (1965), cedo veio para Natal, onde iniciou seus estudos de Música, na Escola de Música da UFRN, com Fidja Siqueira (violão), Clóvis Pereira (Teoria da Música) e Pe. Jaime Diniz (História da Música, Harmonia e Contraponto). Atuando a princípio como instrumentista, em grupos como a Orquestra Sinfônica do RN (como timpanista), o Madrigal da UFRN e o Coral Canto do Povo (como tenor e chefe de naipe), o Quinteto de Violões da UFRN e o Duo de Violões Alvaro/Danilo, logo descobre a vocação para o trabalho com as artes cênicas, compondo a trilha sonora da peça A Mente Capta, de Mauro Rasi, a convite do grupo Argamassa de Teatro. Seu segundo trabalho na área, a trilha da peça O Processo de Lucullus, de Bertold Brecht, rendeu-lhe o prêmio de Melhor Sonoplastia, no II Festival Nacional de Representação Teatral de Salvador-BA. A este se seguiriam os de Melhor Música no XIII Festival de Inverno de Campina Grande-PB e o de Melhor Sonoplastia no II Festival de Teatro Amador da Universidade São Francisco, em Bragança Paulista-SP, com a trilha da peça “Quem Beliscou Paulinho?”, de Chico Villa e Marcos Bulhões; os de Melhor Música Original no V Festival de Teatro de Pelotas-RS (Fase internacional), Melhor Música Original no II Festival Tropeiro de Teatro em Sorocaba-SP, Melhor Sonoplastia no XIV Festival de Inverno de Campina Grande-PB e Melhor Sonoplastia no II Festival Internacional de Arte Cênica em Resende-RJ, com a trilha da peça A Missão, de Heiner Müller e o de Melhor Música Original no IV Festival Nacional de Representação Teatral em Brasília-DF, com a trilha da peça O Moço que Casou com Mulher Braba, de D. Juan Manuel. Em 1996 gravou a sua Missa de Alcaçus, para coro, orquestra e solistas, sendo a obra executada integralmente em João Pessoa, Brasília, Manaus, São Paulo, Aracaju, Cuiabá, Milão, Veneza, Gênova, Nova Iorque, Lisboa e Orléans. Em 2002 estreou em Natal sua Sinfonia no 1 “Adão” para 4 atores, coro e orquestra. Como diretor artístico do grupo vocal De Coro e Alma, montou 11 espetáculos, apresentados no Brasil e Portugal, durante os 10 anos de atuação do grupo. Mestre em Composição pela Unicamp/UFRN desde 2002, compõe regularmente para grupos vocais e instrumentais, sendo sua obra executada freqüentemente no país e no exterior, além de dar continuidade ao trabalho de composição de trilhas sonoras de grandes espetáculos ao ar livre, entre os quais se destacam “Um Presente de Natal”, “Oratório de Santa Luzia”, “Auto de São João Batista”, “Chuva de Bala no País de Mossoró”, “Cantata dos Santos Mártires”, “Auto de São Gonçalo” e “Terra de Santana”, e de musicais como “Beco da Alma”, “Assim me contaram…”, “TeAtor”, “SAPIENS” e “Bye bye, Natal”. Ganhador do Prêmio Hangar de Melhor Compositor Erudito no Nordeste, em 2004, e de Trajetória Musical, em 2016, atualmente é professor da Escola de Música da UFRN, onde leciona nas cadeiras de Composição, Harmonia, Apreciação Musical, Metodologia da Pesquisa em Música, Arranjos, Instrumentação e Análise Musical. É doutor em composição pelo Doutorado Interinstitucional Unirio – UFRN desde março de 2013.

Posts relacionados

  • “A Jurema Encantada”
    A peça Jurema encantada, escrita para contrabaixo solo, foi dedicada ao contrabaixista Airton Guimarães pelo compositor Danilo Guanais, é resultado de meu projeto de dissertação concluído em 2019. Resultou do…